Pular para o conteúdo principal

Postagens

#DesafioLivrosBr: A Paixão Segundo G.H, Clarice Lispector e um breve esboço sobre o Feminismo em sua obra.

Encontro duas formas de escrever sobre A Paixão Segundo G.H (Rocco, 2009. 180 páginas), o livro que escolhi para o mês de março do #DesafioLivrosBR.




A primeira é descrevendo o plano de fundo dentro da qual o fluxo de consciência se encaminha, destacando alguns elementos chave que aparecem até a ação final. Seria assim: G.H é uma mulher da alta classe brasileira (sua nacionalidade está explícita no texto), moradora de uma cobertura. É uma manhã e a empregada da casa foi embora. G.H, então, decide ir até o quarto da empregada, onde esperava encontrá-lo bagunçado, surpreendendo-se depois com a organização que ele apresenta, deixada pela empregada. É dentro do quarto que acontecem os mais intensos conflitos expressos através da narradora.
A segunda, e esta é um desafio, é uma tentativa de ensaiar sobre alguns elementos que fazem de A Paixão Segundo G.H a novela que é. G.H, segundo aponta Boris Fausto, em História Concisa da Literatura Brasileira, significa Gênero Humano. Muito não se sab…

"Que mistério tem Clarice?"

     Isto é uma não crítica que tem como propósito ser crítica.
   Assim como a leitura de Antologia Poética de Drummond, referente ao #DesafioLivrosBR se mostrou muito mais longa do que eu supunha que fosse, a leitura de Todos Os Contos de Clarice também mostrou muito mais breve do que eu também supunha. Se por um lado a poesia demandou um ritmo também poético - cada poema sendo degustado e digerido em seu tempo, de modo que a qualidade ficasse resguardada diante da pressa pelo número de livros que eu, nós, desejamos ler -, os contos de Clarice se mostraram muito como uma retrospectiva de minha vida. É que a escritora está atrelada em momentos de minha adolescência com a lembrança de casas onde morei, no decorrer de minhas várias mudanças. 
   Durante a leitura parece que pomos nos olhos as lentes com as quais os escritores enxergam - seu estilo, pelo menos, é carregado conosco. Comigo, ao menos, é assim. E daí me vi assustado, surpreso quando descobri no meu bairro uma espécie de p…

#UmContoPorDia Obsessão, um conto de Clarice sobre a libertação de uma mulher

    Iniciei um projeto de leitura de um conto por dia esta semana com a coletânea Todos os Contos, de Clarice Lispector organizado pelo Benjamin Moser, e Contos de Imaginação e Mistério, de Edgar Allan Poe. Essas companhias que tenho tido antes de dormir, desde quando iniciei o projeto, tem me feito perder o sono. Talvez eu deva mudar o horário da leitura dos contos. Um deles, que me deixa insone, é "Obsessão", o segundo conto de Clarice na seção Primeiras Histórias, escrito aproximadamente aos vinte anos de idade.
   Trata-se da história de formação de Cristina, a narradora do conto, que se nos apresenta uma infância comum a infância de uma menina de sua época - "Até que um dia descobriram em mim uma mocinha, abaixaram meu vestido, fizeram-me usar novas peças de roupa e consideraram-me quase pronta" - Esta prontidão certamente é para o tradicional rumo das mulheres: logo, Cristina se casa com Jaime, um homem comum, que lhe traz chocolates durante as visitas. Cris…

#DesafioLivrosBR Janeiro: Caetés, de Graciliano Ramos ou Como ler ficção?

   Atualmente estou começando o #DesafioLivroBR, proposto pelo site 1001 Livros Brasileiros Para Ler Antes de Morrer, e o item referente ao mês de Janeiro é "Livro de Estreia". Escolhi Caetés, de Graciliano Ramos. Outro dia talvez eu escreva algo sobre o livro. Agora quero apenas levantar alguns apontamentos que me vieram entre minha última leitura que finalizei ontem, que foi de O Lugar Sem Limites (Cosac Naify, 2013), de José Donoso, e de minha atual, que comecei hoje.
    Eu, como muitos outros viciados (qual outro termo seria mais preciso?) em Literatura pensamos constantemente em livros e o que os circundam - seus autores, as editoras, as traduções, críticas, etc - e diante de um campo vastíssimo de tantos outros leitores donos de blogs e vlogs sobre leituras, percebi a sede atarantada pelo número de livros lidos. A-quantidade-de-livro-lidos é um pensamento que habita de vez em quando o imaginário de todo leitor compulsivo. Seja pela insuperável injustiça da vida ser m…

Falando sobre Katherine Mansfield (e Virgínia Woolf)

   As minhas últimas leituras de 2016 foram todas de escritoras. Duas de minhas prediletas, aliás: Virgínia Woolf e Katherine Mansfield. Há mais coisas em comum as duas do que apenas o estilo: conheceram-se e foram amigas; trocaram correspondências e críticas sobre suas escritas. Em dado momento, Virgínia confessou: "Eu tinha inveja de sua escrita. A única coisa que já invejei"; por outro lado, Katherine confessava: "Eu me sinto orgulhosa da escrita de Virgínia". Aos fãs de Virgínia que ainda não conhecem a prosa de Katherine, imaginem aí o peso de ter uma qualidade invejável por Virgínia Woolf. Entretanto, esta inveja não era, para Woolf, imagino, uma forma de rivalidade: ambas tinham suficiente consciência sobre as questões feministas que brotavam em suas épocas  - e em suas escritas - para não caírem no jogo da rivalidade. Uma presava bastante a opinião a outra: Antonio Bivar cita, no prefácio de O quarto de Jacob editado pela Editora Novo Século, que uma das c…

Os anos, de Virginia Woolf, e O Prazer do Texto, de Roland Barthes

   Para Roland Barthes, em O Prazer do Texto, há uma diferença entre o texto de prazer e texto de fruição. O texto de prazer é "aquele que contenta, enche, dá euforia; aquele que vem da cultura, não rompe com ela, está ligado a uma prática confortável de leitura (BARTHES, 1996, p. 20-21). E o texto de fruição é "aquele que põe em estado de perda, aquele que desconforta [...], faz vacilar as bases históricas, culturais, psicológicas do leitor, a consistência de seus gostos, de seus valores e de suas lembranças, faz entrar em crise sua relação com a linguagem". (BARTHES, 1996, p. 21).
  Virgínia Woolf (1882 - 1941), em Os Anos (1937), chega com precisão ao auge daquilo que passou a construir desde O quarto de Jacob (1922): um estilo novo de escrita, que tinha a pretensão de explorar os meandros, as profundezas da psicologia dos personagens, dos costumes de sua época, das relações de gênero e de classes guiados por um fluxo de consciência, na qual a perspectiva principal …